Osasco:(11) 3681-6362 / Santana: (11) 2959-1482 | contato@medcindermatologia.com.br |
Medcin Dermatologia

Dermatologia Clínica

Você sabia? A Dermatologia abrange mais de 2000 doenças, cujo diagnóstico depende de um bom exame clínico, uma boa anamnese, e eventualmente de exames complementares.

Conheça um pouco mais sobre algumas das 10 doenças mais comuns em dermatologia:

Acne do adolescente e do adulto

A acne é uma das doenças de pele mais comuns, e pode estar relacionada a predisposição genética na adolescência, (mais de 80% dos adolescentes tem algum grau de acne) mas também a alterações hormonais, sobretudo em mulheres na idade adulta. Por isso, o tratamento pode variar muito, desde simples cuidados na higienização e produtos tópicos até uso de medicações hormonais ou de retinoides. Consulte seu dermatologista para encontrar seu melhor tratamento.

Discromias (manchas)

As manchas de pele podem ser hiperpigmentares (mais escuras, como o melasma, melanoses solares, manchas congênitas, etc.) ou hipopigmentares (mais claras, como vitiligo, hanseníase, leucodermia puntata, etc.) e compõem mais de 40 dermatoses diferentes. Para um tratamento adequado, o diagnóstico correto feito pelo dermatologista é fundamental. A investigação com lâmpada de Wood ajuda no diagnóstico e prognostico do problema, e os tratamentos podem reunir medicamentos e procedimentos, como os peelings.

Doenças alérgicas da pele

A urticária, outra forma de alergia, ocorre sobretudo após a ingestão de medicamentos ou alimentos, mas também pode ter relação com outras doenças. As reações a medicamentos (farmacodermias) também são comuns, e muitas vezes de difícil diagnostico, pois os sinais podem ser bem diferentes. Cada caso deve ser analisado cuidadosamente.

Psoríase

Esta doença não contagiosa e crônica acomete 3-4% da população, e sua forma mais comum consiste em placas avermelhadas com descamação, sobretudo em áreas de atrito, como cotovelos e joelhos, mas podem se estender a couro cabeludo e outras áreas do corpo. A psoríase está associada a artrite em alguns casos. Só o diagnostico adequado permite o controle das lesões. Tratamentos como a fototerapia, uso de medicamentos tópicos ou orais podem ser realizados, além de uma orientação adequada de cuidados com a apele.

Alopecias (queda de cabelo ou pelos)

As alopecias podem ter múltiplas causas: predisposição genética, doenças hormonais, puerpério, problemas nutricionais, até mesmo stress emocional… Alguns exames como a tricoscopia digital podem ajudar neste diagnostico, assim como avaliação hormonal, sobretudo nas mulheres em idade fértil ou próximas da menopausa. Os tratamentos devem sempre se basear na causa, e por serem relativamente longos, exigem perseverança do paciente.

Dermatites de contato

A dermatite de contato vem crescendo em incidência no consultório dermatológico, devido ao contato cada vez mais frequente e prolongado com inúmeras substancias químicas na vida moderna. Podem se classificar em dermatites irritativas, mais comumente causadas por produtos que ressecam a pele, até as alérgicas, por intolerância a um determinado agente químico. A exposição solar pode agravar o problema. Os sintomas mais comuns são: coceira, vermelhidão, inchaço e até bolhas; este quadro pode evoluir para um ressecamento e espessamento da pele, simulando até outras doenças.

Para a investigação do agente causal, informações sobre atividades profissionais e de lazer são fundamentais. Em alguns casos, os testes de contato são o melhor recurso para identificação do agente responsável.

Tumores de pele

Há mais de 100 tipos de tumores de pele, entre benignos e malignos. O Câncer da Pele é o câncer de maior incidência no Brasil e no mundo. Alguns tipos como o Melanoma podem causar a morte, mas tem cura se for diagnosticado precocemente. A prevenção é simples, mas exige ao menos uma avaliação dermatológica, para investigar as pintas e lesões suspeitas; pessoas claras, com antecedentes familiares de câncer de pele, que se expõem muito ao sol são as mais sujeitas ao problema. É bom lembrar que pessoas mais morenas não estão isentas de ter tumores graves como o melanoma, sobretudo em extremidades.

Micoses

As micoses, que são infecções por fungos, são doenças contagiosas que podem afetar pele, unhas e cabelos. O quadro pode variar, mas normalmente as lesões vem acompanhadas de coceira e alguma descamação, e são mais comuns em áreas úmidas, como pés ou virilhas.

Embora não sejam doenças graves, podem complicar com infecções em pacientes diabéticos, idosos ou crianças pequenas, e por isso devem ser identificados e tratados.

Rosácea

A rosácea é uma dermatose crônica, mais comum nas mulheres, que se inicia com uma sensibilidade vascular aumentada, caracterizada por vermelhidão na face ou colo, em situações de calor, stress ou ingestão de álcool ou alimentos condimentados. Estes surtos de vermelhidão podem evoluir para o aparecimento de lesões que lembram acne, ou ainda para a formação de vasos aparentes na face. Seu tratamento visa o controle e interrupção da evolução, que pode ser, de acordo com a intensidade, realizada com medicamentos ou com laseres específicos.

Dermatite atópica

Comum em crianças até os 5-7 anos, a dermatite atópica é uma predisposição alérgica genética, familiar, que pode vir acompanhada de rinite ou bronquite. Estas crianças têm pele seca, que coça com facilidade, e pode formar dermatites em dobras, que geram desconforto. A partir de uma consulta dermatológica, alguns cuidados fazem muita diferença na evolução do problema, além de medicamentos tópicos e orais, conforme o quadro.